Enfrentando a pandemia na América Latina: uma análise das vulnerabilidades após 30 anos de neoliberalismo

17/08/2020 - 12:31

Artigo analisa os argumentos e perspectivas que levaram ao esgotamento da saúde e de outros serviços públicos na região nas últimas décadas.

A pandemia de coronavírus destacou muitas coisas, incluindo a importância de sistemas de saúde pública robustos em tempos de crise de saúde. No entanto, as políticas do setor de saúde em toda a América Latina seguiram na direção oposta à observada na maioria dos países desenvolvidos que responderam bem à pandemia.

O artigo “Enfrentando a pandemia na América Latina: uma análise das vulnerabilidades após 30 anos de neoliberalismo” analisa os argumentos e perspectivas que levaram ao esgotamento da saúde e de outros serviços públicos na região nas últimas décadas. É o segundo de uma série de quatro artigos do Public Services International (PSI) em associação com a Fundação Friedrich Ebert que investigam como os acordos de livre comércio, o neoliberalismo e a falta de justiça tributária na América Latina têm prejudicado as estratégias de saúde e desenvolvimento socioeconômico no contexto da pandemia Covid-19.

O artigo relata que, em países como o Brasil, a disponibilidade de leitos de terapia intensiva no setor público é de apenas 10 para cada 100 mil residentes, enquanto no sistema privado são 48. Existem, em média, 24 leitos de UTI públicas para cada 100 mil residentes na Europa.

Baixe a publicação:

/system/uploads/ck/files/5aee5ae5-9744-4aaa-8579-c80a0addd94bArtigoISP-EnfrentandoapandemianaAmricaLatinaPT.pdf