Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Neste 28 de Abril, Confetam defende a saúde e a segurança no trabalho como direitos fundamentais

No Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho, Confetam/CUT destaca que a pandemia acentuou importância da segurança no local de trabalho para a saúde física e mental

Escrito por: Confetam/CUT • Publicado em: 28/04/2021 - 14:17 • Última modificação: 28/04/2021 - 14:38 Escrito por: Confetam/CUT Publicado em: 28/04/2021 - 14:17 Última modificação: 28/04/2021 - 14:38

. .

A pandemia Covid-19 destacou ainda mais a importância da segurança no local de trabalho para a saúde física e mental dos trabalhadores e trabalhadoras.

Só no contexto da crise sanitária, o número de profissionais de saúde mortos é de pelo menos 17 mil. Isso significa que mais de um trabalhador da área morre a cada 30 minutos no mundo. Trabalhadores e trabalhadoras em todos os outros setores também foram impactadas em graus diferentes.

Mas esta alta taxa de letalidade poderia ser enfrentada com segurança adequada no local de trabalho. Além disso, muitos mais sofrem de doenças crônicas ou agudas. O estresse e o esgotamento também contribuem significativamente para minar a saúde mental de pessoas que trabalham com excesso de trabalho e, muitas vezes, mal remuneradas.

Esta situação preocupante deve parar. Apesar da inclusão formal da segurança e saúde no trabalho como um aspecto central do conceito de trabalho decente, ainda não é um direito fundamental no trabalho.

Precisamos resistir às estatísticas cruéis que colocam que a cada 12 segundos ocorre uma morte relacionada ao trabalho em algum lugar do globo.

Ao lembrar os mortos, lutaremos para obter esse reconhecimento hoje e sempre!

 

Título: Neste 28 de Abril, Confetam defende a saúde e a segurança no trabalho como direitos fundamentais, Conteúdo: A pandemia Covid-19 destacou ainda mais a importância da segurança no local de trabalho para a saúde física e mental dos trabalhadores e trabalhadoras. Só no contexto da crise sanitária, o número de profissionais de saúde mortos é de pelo menos 17 mil. Isso significa que mais de um trabalhador da área morre a cada 30 minutos no mundo. Trabalhadores e trabalhadoras em todos os outros setores também foram impactadas em graus diferentes. Mas esta alta taxa de letalidade poderia ser enfrentada com segurança adequada no local de trabalho. Além disso, muitos mais sofrem de doenças crônicas ou agudas. O estresse e o esgotamento também contribuem significativamente para minar a saúde mental de pessoas que trabalham com excesso de trabalho e, muitas vezes, mal remuneradas. Esta situação preocupante deve parar. Apesar da inclusão formal da segurança e saúde no trabalho como um aspecto central do conceito de trabalho decente, ainda não é um direito fundamental no trabalho. Precisamos resistir às estatísticas cruéis que colocam que a cada 12 segundos ocorre uma morte relacionada ao trabalho em algum lugar do globo. Ao lembrar os mortos, lutaremos para obter esse reconhecimento hoje e sempre!  



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.