Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Reforma administrativa exclui parlamentares, juízes, procuradores e militares

Governo argumenta que não tem autonomia para propor mudanças de regras a essas categorias.

Escrito por: Fetamce • Publicado em: 03/09/2020 - 16:47 • Última modificação: 03/09/2020 - 17:25 Escrito por: Fetamce Publicado em: 03/09/2020 - 16:47 Última modificação: 03/09/2020 - 17:25

. .

A reforma administrativa proposta pelo governo nesta quinta-feira (3) não atinge categorias específicas, como juízes, membros do Ministério Público, militares e parlamentares.

O governo apresentou um texto considerado amplo, que tem impacto não apenas sobre os servidores do Executivo, mas também do Legislativo e Judiciário. A proposta do Executivo federal também tem efeito para estados e municípios.

O Ministério da Economia criou a falácia de que o Poder Executivo, mesmo tendo apresentado uma Proposta de Emenda à Constituição, não tem autonomia para propor mudanças de regras para membros de outros poderes.

São classificados nessa categoria juízes, desembargadores, procuradores, promotores, deputados e senadores. Para eles, não haverá mudança de regras.

Na prática, o governo preserva categorias que formam uma verdadeira elite, no topo do serviço público. Carreiras jurídicas, no alto da pirâmide salarial, têm remuneração inicial de R$ 24,1 mil.

A decisão de deixar de fora estas carreiras faz parte dos mecanismos da “velha política”, que tem no presidente Jair Bolsonaro (sem partido) um adepto. Para a reeleição e sustenção política no cargo, em meio a diversos processos criminais contra familiares e a emergência de dezenas de pedidos de impeachment, Bolsonaro opera o chamado toma lá dá cá. O foco é atender ao empresariado, ávido por dominar os serviços e as empresas públicas, afagar aliados e garantir a reeleição. Caso nada der certo, sempre haverá os militares!

Para os demais servidores, a tesoura

A proposta apresentada nesta quinta-feira (03/09) proíbe progressões automáticas de carreira, como as gratificações por tempo de serviço, e cria maiores restrições para acesso ao serviço público. O texto também abre caminho para o fim da estabilidade em grande parte dos cargos, maior rigidez nas avaliações de desempenho e redução do número de carreiras.

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma administrativa deve ser entregue ao Congresso Nacional nesta quinta-feira (3), às 18 horas, mesmo horário do lançamento da Jornada Unitária em Defesa dos Serviços Públicos. A iniciativa unirá esforços de servidores públicos de todos os Poderes e esferas de governo, parlamentares progressistas, movimentos sociais, populares e sindical contra a tentativa de privatização do Estado, verdadeira intenção embutida na PEC.

Leia mais aqui:

Conheça a proposta de reforma administrativa enviada por Bolsonaro ao Congresso

Título: Reforma administrativa exclui parlamentares, juízes, procuradores e militares, Conteúdo: A reforma administrativa proposta pelo governo nesta quinta-feira (3) não atinge categorias específicas, como juízes, membros do Ministério Público, militares e parlamentares. O governo apresentou um texto considerado amplo, que tem impacto não apenas sobre os servidores do Executivo, mas também do Legislativo e Judiciário. A proposta do Executivo federal também tem efeito para estados e municípios. O Ministério da Economia criou a falácia de que o Poder Executivo, mesmo tendo apresentado uma Proposta de Emenda à Constituição, não tem autonomia para propor mudanças de regras para membros de outros poderes. São classificados nessa categoria juízes, desembargadores, procuradores, promotores, deputados e senadores. Para eles, não haverá mudança de regras. Na prática, o governo preserva categorias que formam uma verdadeira elite, no topo do serviço público. Carreiras jurídicas, no alto da pirâmide salarial, têm remuneração inicial de R$ 24,1 mil. A decisão de deixar de fora estas carreiras faz parte dos mecanismos da “velha política”, que tem no presidente Jair Bolsonaro (sem partido) um adepto. Para a reeleição e sustenção política no cargo, em meio a diversos processos criminais contra familiares e a emergência de dezenas de pedidos de impeachment, Bolsonaro opera o chamado toma lá dá cá. O foco é atender ao empresariado, ávido por dominar os serviços e as empresas públicas, afagar aliados e garantir a reeleição. Caso nada der certo, sempre haverá os militares! Para os demais servidores, a tesoura A proposta apresentada nesta quinta-feira (03/09) proíbe progressões automáticas de carreira, como as gratificações por tempo de serviço, e cria maiores restrições para acesso ao serviço público. O texto também abre caminho para o fim da estabilidade em grande parte dos cargos, maior rigidez nas avaliações de desempenho e redução do número de carreiras. A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma administrativa deve ser entregue ao Congresso Nacional nesta quinta-feira (3), às 18 horas, mesmo horário do lançamento da Jornada Unitária em Defesa dos Serviços Públicos. A iniciativa unirá esforços de servidores públicos de todos os Poderes e esferas de governo, parlamentares progressistas, movimentos sociais, populares e sindical contra a tentativa de privatização do Estado, verdadeira intenção embutida na PEC. Leia mais aqui: Conheça a proposta de reforma administrativa enviada por Bolsonaro ao Congresso



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.