Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

PEC 32: Esther Dweck diz que proposta de Bolsonaro pune servidor

Esther Dweck afirmou que o governo Lula (PT) gostaria de não levar a proposta adiante.

Escrito por: Thiago Marinho • Publicado em: 30/01/2024 - 11:58 Escrito por: Thiago Marinho Publicado em: 30/01/2024 - 11:58

Agência Brasil

Na visão da ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, a proposta de emenda à Constituição (PEC) da Reforma Administrativa apresentada no governo Jair Bolsonaro (PL) é “muito mais privatista e punitiva do que, de fato, fiscalista”.

Em entrevista ao Portal Metrópoles na última quinta-feira (25/1), a ministra Esther Dweck  afirmou que o governo Lula (PT) gostaria de não levar a proposta adiante, apesar da pressão por parte do Congresso e do empresariado em prol dessa PEC. 

“O discurso é fiscalista no sentido de ser uma PEC que, em tese, ajudaria a cortar gastos, mas na prática ela não faz isso. Então, na minha visão, ela é muito mais privatista e punitiva do que, de fato, fiscalista, no sentido de que ela vai gerar uma economia necessariamente de gastos”, disse a ministra.

Segundo ela, a proposta é privatista porque amplia as possibilidades de prestação de serviço privado, inclusive utilizando as instalações públicas para que o setor atuar. Já o punitivismo seria porque ela amplia as permissões para contratações temporárias, o que, nas palavras dela, significaria uma contratação “muito mais precária”.

“Ela tem uma tentativa, sim, de abrir uma discussão sobre o fim da estabilidade no serviço público. E toda vez eu reforço isso, para mim, estabilidade é uma proteção do Estado para que os servidores tenham possibilidade de denunciar qualquer coisa errada que seja feita. Então, eu vejo muitas vezes se fala tanto da importância do servidor de carreira, mas muita gente defendendo uma PEC que possivelmente poderia, na verdade, tornar todo mundo, seriam servidores que não seriam permanentes. Claro que no futuro, não imediatamente”, completou.

Desempenho

A ministra salientou que a discussão de avaliação de desempenho que pode ser feita sem a alteração constitucional. “Você poderia fazer isso sem uma PEC e sendo feita de uma maneira onde você tem uma cooperação entre os servidores e não uma punição a servidores, tentando criar um clima de
competição entre eles”, disse.

Ela defendeu a análise de um projeto de lei que está no Congresso, que é o projeto de lei dos supersalários, que se aplicaria aos três Poderes e no âmbito do qual se discutiria a aplicação do teto. “Para a gente, isso é um projeto super interessante do ponto de vista de justiça, inclusive dentro dos servidores públicos, de evitar os supersalários, de fato”, salientou.

A ministra ainda indicou que há um projeto de transformação do Estado em curso, do qual faz parte a própria realização da primeira edição do Concurso Público Nacional Unificado (CNPU).

Também estão em discussão mudanças no Programa de Gestão de Desempenho (PGD), relativo à avaliação dos servidores. Recentemente, foi criado uma Câmara Técnica no Conselhão para debater o assunto, que deverá se reunir em 5 de fevereiro.

Título: PEC 32: Esther Dweck diz que proposta de Bolsonaro pune servidor, Conteúdo: Na visão da ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, a proposta de emenda à Constituição (PEC) da Reforma Administrativa apresentada no governo Jair Bolsonaro (PL) é “muito mais privatista e punitiva do que, de fato, fiscalista”. Em entrevista ao Portal Metrópoles na última quinta-feira (25/1), a ministra Esther Dweck  afirmou que o governo Lula (PT) gostaria de não levar a proposta adiante, apesar da pressão por parte do Congresso e do empresariado em prol dessa PEC.  “O discurso é fiscalista no sentido de ser uma PEC que, em tese, ajudaria a cortar gastos, mas na prática ela não faz isso. Então, na minha visão, ela é muito mais privatista e punitiva do que, de fato, fiscalista, no sentido de que ela vai gerar uma economia necessariamente de gastos”, disse a ministra. Segundo ela, a proposta é privatista porque amplia as possibilidades de prestação de serviço privado, inclusive utilizando as instalações públicas para que o setor atuar. Já o punitivismo seria porque ela amplia as permissões para contratações temporárias, o que, nas palavras dela, significaria uma contratação “muito mais precária”. “Ela tem uma tentativa, sim, de abrir uma discussão sobre o fim da estabilidade no serviço público. E toda vez eu reforço isso, para mim, estabilidade é uma proteção do Estado para que os servidores tenham possibilidade de denunciar qualquer coisa errada que seja feita. Então, eu vejo muitas vezes se fala tanto da importância do servidor de carreira, mas muita gente defendendo uma PEC que possivelmente poderia, na verdade, tornar todo mundo, seriam servidores que não seriam permanentes. Claro que no futuro, não imediatamente”, completou. Desempenho A ministra salientou que a discussão de avaliação de desempenho que pode ser feita sem a alteração constitucional. “Você poderia fazer isso sem uma PEC e sendo feita de uma maneira onde você tem uma cooperação entre os servidores e não uma punição a servidores, tentando criar um clima de competição entre eles”, disse. Ela defendeu a análise de um projeto de lei que está no Congresso, que é o projeto de lei dos supersalários, que se aplicaria aos três Poderes e no âmbito do qual se discutiria a aplicação do teto. “Para a gente, isso é um projeto super interessante do ponto de vista de justiça, inclusive dentro dos servidores públicos, de evitar os supersalários, de fato”, salientou. A ministra ainda indicou que há um projeto de transformação do Estado em curso, do qual faz parte a própria realização da primeira edição do Concurso Público Nacional Unificado (CNPU). Também estão em discussão mudanças no Programa de Gestão de Desempenho (PGD), relativo à avaliação dos servidores. Recentemente, foi criado uma Câmara Técnica no Conselhão para debater o assunto, que deverá se reunir em 5 de fevereiro.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.