Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

STF: Gilmar Mendes libera piso da enfermagem para julgamento

Após pedido de vista, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), devolveu para análise do plenário o processo que contesta o pagamento do piso nacional da enfermagem.

Escrito por: Thiago Marinho • Publicado em: 13/06/2023 - 09:55 Escrito por: Thiago Marinho Publicado em: 13/06/2023 - 09:55

Agência Brasil

Após pedido de vista, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), devolveu para análise do plenário o processo que contesta o pagamento do piso nacional da enfermagem. A legislação que estabelece o mínimo da categoria foi aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada sem previsão orçamentária.

Dessa forma, a retomada do julgamento ocorrerá em plenário virtual entre os dias 16 e 23 de junho. Os ministros julgavam uma decisão de Luís Roberto Barroso, que liberou o pagamento do piso, com a fixação de regras para a sua aplicação.

No caso dos serviços particulares, Barroso permitiu a previsão de negociação coletiva. Mesmo com a suspensão do julgamento, a decisão de Barroso, liberando a aplicação do piso, segue vigente.

O julgamento começou em maio e foi interrompido no último dia 24 a pedido de Mendes. Até o caso ser paralisado, votaram Barroso (relator) e o ministro Edson Fachin.

Fachin votou para que o piso nacional da enfermagem seja aplicado imediatamente, sem distinção entre servidores públicos e funcionários da iniciativa privada. No início de maio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sancionou lei que libera R$ 7,3 bilhões destinados ao pagamento do piso.

Os governadores, no entanto, demonstraram preocupação em como complementar o pagamento do piso salarial da enfermagem.

Título: STF: Gilmar Mendes libera piso da enfermagem para julgamento, Conteúdo: Após pedido de vista, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), devolveu para análise do plenário o processo que contesta o pagamento do piso nacional da enfermagem. A legislação que estabelece o mínimo da categoria foi aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada sem previsão orçamentária. Dessa forma, a retomada do julgamento ocorrerá em plenário virtual entre os dias 16 e 23 de junho. Os ministros julgavam uma decisão de Luís Roberto Barroso, que liberou o pagamento do piso, com a fixação de regras para a sua aplicação. No caso dos serviços particulares, Barroso permitiu a previsão de negociação coletiva. Mesmo com a suspensão do julgamento, a decisão de Barroso, liberando a aplicação do piso, segue vigente. O julgamento começou em maio e foi interrompido no último dia 24 a pedido de Mendes. Até o caso ser paralisado, votaram Barroso (relator) e o ministro Edson Fachin. Fachin votou para que o piso nacional da enfermagem seja aplicado imediatamente, sem distinção entre servidores públicos e funcionários da iniciativa privada. No início de maio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sancionou lei que libera R$ 7,3 bilhões destinados ao pagamento do piso. Os governadores, no entanto, demonstraram preocupação em como complementar o pagamento do piso salarial da enfermagem.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.